Educação para a Cultura e para a Criatividade
Sessão
Jornalismo televisivo - Histórias contadas com imagens
22 Fevereiro 2013
Entidade
Promotora
Associação Porto Digital
Parceiro(s)
RTP - Rádio e Televisão de Portugal
Orientação
Dores Queirós
Luís Miguel Loureiro
Paulo Maio Gomes
Hoje recebemos a visita tão especial de três contadores de histórias. Histórias verdadeiras, claro. Contam-nas de diferentes formas, mas essas formas são sempre complementares. O trabalho de um só é possível com o trabalho dos outros.

O Luís Miguel Loureiro, já nosso conhecido, é jornalista e conta histórias através da palavra. O Paulo Maio Gomes é repórter de imagem e, como o próprio nome indica, conta histórias através da imagem e do som. Tal como a Dores Queirós, editora de imagem, que através de cortes e colagens de sons e imagens captados pelo Paulo, por exemplo, constrói narrativas.

Trabalham todos na RTP e de lá vieram carregados de material - câmaras, microfones de mão e de lapela, um computador - para nos falarem do jornalismo televisivo.

Mas antes de mais, tínhamos uma surpresa para o Luís. A visita anterior do Luís à escola foi um momento de partilha de vivências profissionais e de conhecimentos. Por isso, escrevemos um texto no qual relatamos tudo o que nos sensibilizou naquela conferência de imprensa (podem ler o texto mais abaixo) . Entre as muitas coisas que retivemos está uma muito importante: o jornalismo consiste na apuração da verdade, por isso é uma atividade tão exigente.

Pegando nas verdades que tentamos apurar, todos contamos histórias diferentes, porque todos interpretamos as realidades de forma diferente.
O jogo que a Dores nos trouxe prova isso mesmo. O desafio era contar uma história através de imagens e palavras com cenas do filme Madagáscar. Tendo as mesmas imagens e os mesmos protagonistas, não houve duas histórias iguais. O jornalismo trata de factos, por isso não tem um estilo assim tão livre, mas este jogo despertou-nos para a importância do pluralismo, ou seja, a existência de várias ideias.

Toda a sessão foi filmada pelo Paulo. Podemos ver as imagens? Não só podemos ver, como também editá-las, contando uma história desta sessão.

Vamos recapitular o processo de criação de uma reportagem? O jornalista investiga e depois vai para o terreno com o repórter de imagem, onde recolhem informações e imagens. Chegados à redação, o jornalista escreve o texto e, posteriormente, as imagens são editadas pelo editor de imagem, sempre com a presença do jornalista.

Aproveitamos para agradecer a estes maravilhosos profissionais a sua presença e à RTP pela cedência do material para esta sessão. Ficámos tão maravilhados que nos portámos como verdadeiros profissionais!



< LISTA DE ACTIVIDADES